UNG | Ser Educacional
22 Novembro
EVENTO
Alunos de turismo participam de festival gastronômico
Por Cláudia Parra

De uns tempos pra cá, os Festivais Gastronômicos invadiram as cidades e no último dia 21 de novembro, invadiu também o Campus Centro da UNG. 

O Curso de Turismo, através da disciplina de Alimentos & Bebidas da Prof. Alitéia Carla Sousa, promoveu mais um Festival Gastronômico com o tema: Comida de Boteco, onde cada grupo de alunos tiveram que preparar um petisco para um corpo de jurados bastante criterioso, composto por convidados como, os professores da UATI - Universidade Aberta e da Terceira Idade,  Dinah Patrocínio e Paulo Roberto e a proprietária  do Armazém e Cervejaria 77, Sra. Aline. 

A criatividade dos alunos foi além dos bolinhos a coxinha de costelinha e lanches especiais. Tudo feito com muito sabor e carinho pelos futuros turismólogos!!! 

E como todo concurso pede uma equipe vencedora, desta vez, quem colocou a mão na massa e no troféu foram os alunos da equipe UnG Beach Bar, com a deliciosa Casquinha de Siri, em 2º lugar o Twist & Shout English Pub, com bolinhos de macaxeira recheado com camarão e em 3º lugar o Bar Pai D'Égua, com o rolezinho empanado com batata frita. 

Parabéns a todos os alunos do 6º semestre que participaram e se propuseram a realizar esse grande evento, cheio de cheiro e sabor!!! 

 

 

 

16 Outubro
EVENTO
Alunos do 4º semestre do Curso de Gastronomia fizeram um Monkey Bread
Por Deborah Aparecida

Diariamente ao pensarmos em pão imaginamos ele como um pão francês, italiano, ciabata ou qualquer tipo de pão doce que já conhecemos. O que não sabemos é que nos Estados Unidos é muito comum um tipo de pão doce feito em forma como se fosse um bolo - MONKEY BREAD. Não se tem relatos e tão pouco histórias sobre esse pão. O que sabemos que é deliciosamente delicado, amanteigado, e feito como se fosse bolinhas, intercalados com uma fina camada de manteiga, açúcar e canela e depois assado, e para finalizar pode-se colocar uma calda de caramelo, de leite de coco e por que não de uma deliciosa calda de chocolate. Enfim, hoje os alunos do 4º semestre do Curso de Gastronomia, puderam fazer esta delícia na primeira aula da Semana de Oficinas Profissionalizantes, e podemos concluir que foi uma experiência com sabor de quero mais.

27 Setembro
AÇÃO
Escola Maria Angélica Soave recebe projeto UNG Amiga da Escola
Por Deborah Aparecida

A Univiersidade Guarulhos em parceria com as  escolas da Região esta desenvolvendo o projeto "UNG AMIGA DA ESCOLA". A coordenação do Curso de Gastronomia esta apadrinhando a Escola Maria Angélica Soave, no bairro do Taboão, e levou a Profª Regina Manzaro no dia 22/09, do Curso de Direito, para dar uma palestra sobre Bullyng, para alunos do 2º e 3º anos do Ensino Médio, na oportunidade foram distribuídos Guia de Cursos da Universidade. Ações em parceria com os diversos cursos da UNG estão sendo dispobibilizadas as escolas para que possamos atendê-los e ficarmos mais próximos dos alunos que poderão conhecer a Universidade. Estamos iniciando ações para a captação de alunos já para 2018, desta forma podemos mostrar e demonstrar os cursos que oferecemos.

 

25 Setembro
ATIVIDADE
Alunos provam doces descritos em poesias de Cora Coralina
Por Deborah Aparecida

No próximo dia 29/9 das 18:00 as 19:00 horas,  os alunos do Curso de Gastronomia, na sala AT11, terão o prazer de ouvir as poesias de Cora Coralina  recitadas pela Prof. Dolores Freixa e degustar os quitutes, produzidos pela Prof.Andreia Versolato, doces descritos nas poesias. Esta palestra destina-se aos alunos do Curso que farão suas inscrições pela página de Eventos do Curso. 

Teremos um final de tarde brindado com o melhor da literarura brasileira. Participe!

25 Setembro
GASTRONOMIA - CONFEITARIA - CELEBRIDADE
Alunos participam de gravação de programa de confeitaria
Por Deborah Aparecida

E no último sábado , dia 23/9/17, cerca de 30 alunos do Curso de Gastronomia da UNG Centro, visitaram os estúdios da TV Record e participaram da gravação do programa Batalha dos Confeiteiros e ainda puderam conhecer o Confeiteiro Celebridade americano Buddy Valastro, degustaram doces das provas e tiraram várias fotografias.

Gostaríamos de agradecer a produção do programa que gentilmente proporcionou uma tarde inesquecível aos nossos alunos.

02 Junho
Festa dos Imigrantes
Oportunidade de vivenciar a cozinha de diversos países
Por Deborah Aparecida

Alunos de Gastronomia da UNG e interessados pela área, podem visitar o Museu dos Imigrantes, que fica na Rua Visconde de Parnaiba n 1316, na Mooca, que oraganiza a FESTA DO IMIGRANTE, com muita diversão e gastronomia  de mais de 20 países. Um local lindo, com muita história. Vale a pena a visita. Esse evento propicia a vivência dos alunos às diversas cozinhas do mundo, viajar sem sair de seu pais através da degustação. Finais de semana perfeitos. 

29 Abril
Gastronomia
Oficinas Profissionalizantes da Gastronomia
Por Deborah Aparecida

03 Abril
Gastronomia
Confira algumas curiosidades sobre o bacalhau
Por Deborah Aparecida

Talvez dentro da gastronomia não exista um ingrediente tão consumido, tão adorado mundialmente, mas que ao mesmo tempo poucas pessoas conhecem de fato a sua origem, se enganando ou confundindo na maioria das vezes. O bacalhau é um dos produtos mais consumidos do mundo, dono de uma história muito interessante, e ganhou adeptos por todos os lados.
Por mais que seja estranho dizer isso, a verdade é que o bacalhau não é um peixe. O bacalhau pode vir a ser vários peixes, desde que seja feito um processo de transformação com ele. Por mais que seja complexo e novidade para a maioria, é simples de compreender. Para se obter um bacalhau, existe um processo que é resultante da salga e secura de alguns peixes específicos, e que irão originar o bacalhau. São eles: Gadus morhua (cod), ling, saithe e zarbo. Ou seja, o bacalhau fresco na teoria não existe, e na prática é apenas um peixe comum, sem o sabor marcante que é resultado da cura e da secagem.
 
O bacalhau é um produto bastante antigo, e foram os “vikings” os seus criadores. O fato dos vikings ficarem meses viajando, foi combustível para inventar um meio de conservação para o alimento. O processo de secagem do peixe naquela época era feito ao ar livre, e depois disso era levado para longas viagens, sendo consumido aos poucos sem o risco de estragar. O sal “apareceu” no processo por volta do ano 1000 d.C, pelos povos bascos.
 
O holandês Yapes Ypess é considerado o “pai do bacalhau”, pois foi ele quem criou a primeira indústria de transformação na Noruega. País pioneiro no planejamento da pesca em longo prazo. A cidade de Aslesund é considerada a capital mundial do bacalhau, pela quantidade de indústrias de transformação de bacalhau e muitos portos de exportação. A partir desse momento crucial, com o tempo a demanda por bacalhau no mundo aumento e muito, fazendo da Noruega o polo mundial de pesca e exportação do bacalhau.
 
Como já dito, com alguns peixes específicos se faz o bacalhau. Eles são “sangrados” ainda no barco de pesca para evitar que a carne escureça.  As indústrias de transformação do bacalhau recebem o peixe, fazem a limpeza, retiram a cabeça e colocam em uma cura de “sal traçado”. Esse processo de maturação do peixe dará características especiais como textura, cor e sabor diferenciados. O bacalhau verdadeiro é o do atlântico, com nome de Gadus morhua. As outras espécies como Ling, Saithe e zarbo, possuem qualidade inferior e existem em menor quantidade
Os portugueses tiveram papel importante e fundamental na história do bacalhau. Foram eles os primeiros a pescar, e a introduzir o produto na alimentação. A descoberta do bacalhau pelos portugueses veio na época das grandes navegações, onde eram necessários produtos que aguentassem as longas viagens sem estragar, e por esse motivo o peixe é um dos responsáveis pela expansão do velho mundo.  Apesar de ser símbolo do país, Portugal importa todo o bacalhau que é consumido, pela enorme dificuldade em pesca-lo.
 
Praticamente todo bacalhau que chega a terras portuguesas chega “verde”, ou seja, sem passar por nenhum processo. Nas indústrias de transformação do bacalhau, o peixe passará por um processo de secagem artificial de 24 a 100 horas (dependendo do tamanho), onde a temperatura varia de 18º a 24º graus, e por uma cura que pode variar de 3 a 6 meses, levando-se em consideração, que quanto maior o tempo, melhor a qualidade do bacalhau. A carne do bacalhau seco possui 0% de gordura e até 80% de concentração de proteínas, sendo importante ressaltar que ela nunca deve ser congelada antes de ser dessalgada.
 
É fundamental entender essa questão do bacalhau e sua origem. Assim como “bacalhau do porto” (nome muito usado aqui no Brasil), na verdade é da Noruega, mas é chamado assim por ser maior em relação aos outros, de alta qualidade e bem mais caro. Ao comprar um bacalhau, é importante certificar que o peixe está bem firme e seco, evitando ao máximo partes moles e úmidas.
 
E para concluir, a famosa frase “nunca vi cabeça de bacalhau” não poderia deixar de ser explicada. Ela existe, porém é retirada na indústria e salgada como o restante do peixe. Possui mercado em vários países, e segundo os noruegueses, essa parte que eles consideram a mais saborosa do peixe, não tem mercado no Brasil.
 
Fontes de pesquisa: Revista Super Interessante, gp1.com.br, IG comidas e Globo Mar.
 

 

 

27 Março
Gastronomia
Esculturas em frutas e legumes
Por Deborah Aparecida

O Curso de Gastronomia recebeu a visita do Chef Reginaldo Aquino, chef do Serhs Natal Grand Hotel , para uma aula de escultura em frutas e legumes.

Foi uma ótima oportunidade de aumentar o conhecimento observando a experiência deste profissional renomado no mercado local. 

24 Março
APAE
Dia Internacional da Síndrome de Down - Gastronomia
Por Deborah Aparecida

O último dia 21 de marçomarcou um momento de importante reflexão e debate. O Dia Internacional da Síndrome de Down existe para conscientizar a população sobre o tema.

Na ocasião, ao redor do mundo, inúmeras atividades como palestras, debates ou até mesmo, a reflexão pessoal de cada um, serviu como ferramenta contra a discriminação e o preconceito.

Confira, no vídeo, como os alunos de Gastronomia promoveram uma tarde de aprendizado e diversão junto à instituição APAE. 

Páginas